terça-feira, 19 de julho de 2011

Meu príncipe que não é meu

Foi de longe a primeira vez que eu vi aquele príncipe, lá do alto da janela do seu castelo de estrelas, com torres de nuvens e luminárias de raios de sol. Tudo tão encantador como o seu sorriso. Meus olhos fotografaram a cena daquele príncipe ali, na janela do seu castelo e a guardou em algum lugar da minha memória. Eu nunca tinha me apaixonado com um sorriso - que digam que é loucura, não ligo, mas me apaixonei por um sorriso -. Seus dentes todos alinhados perfeitamente em sua boca, pareciam ter luz própria. Acho que até o próprio sol sentia inveja daquele sorriso e sua larga boca que parecia tão saborosa quanto uma maça vermelha e tão macia quanto veludo despertou em mim um desejo quase que sobrenatural e uma vontade até então incomum de devorá-la. Sua boca era um lago no deserto e eu um viajante à deriva, a única coisa que queria era matar a minha sede naqueles lábios, o que eu realmente queria era me afogar naquele sorriso.

Ah! Aquele sorriso. Se eu fecho os meus olhos ainda posso vê-lo com nitidez - porque de alguma forma quando eu o vi sorrir todas as minhas dores acabaram, todo o meu sofrimento chegou ao fim, só por vê-lo sorrindo, imaginando o dia em que ele talvez sorrisse para mim -, porque eu o guardei em mim, em algum lugar dentro de mim.

Olhando o príncipe sorrindo na janela, mesmo sem ele saber da minha existência, daqui deste lado eu sempre achei que ele sorria para mim. Isso é só uma ilusão minha, mas que seja. Há pessoas que criam solidão outras saudades eu crio esperanças. Esperança de um dia o príncipe me olhar, de um dia sorrir para mim e quando me perco em minhas esperanças, acredito na possibilidade de um dia quem sabe receber um beijo daquele príncipe que daqui parece tão distante, tão intocável. Porque eu sei que príncipes só casam com princesas e eu não nasci na realeza, nem tenho bons modos, não tenho roupas bonitas e um sapatinho de cristal jamais vai caber no meu pé. Sei que minha beleza não é de encantar a muitos – e nem um príncipe -, mas há um sentimento dentro de mim que é puro com o sorriso de um bebê e que eu entregaria a ele se ele quisesse. Mas talvez nem isso eu nunca vá saber. No máximo o que posso receber nesta minha condição é um aceno. Um breve aceno que talvez não dure dez segundos. Será a possível relação que teremos em segredo, todos os dias quando ele passar em sua carruagem pelas ruas da cidade cumprimentando o seu povo e acenar. Eu saberei que é para mim – mesmo que não seja a minha esperança diz que é -. Seria como se ele e eu estivéssemos ligados por um gesto, um simples gesto que para muitos não tem importância alguma, mas para mim seria tudo, seria a única coisa que eu teria dele e eu não me importo que achem que seja pouco, sendo só para mim está bom.

Oh meu príncipe que não é meu e por me ser tão distante nunca será. Eu aceito a minha condição de não ser da realeza. Só não aceito o fato de não poder te entregar meu sorriso pela manhã ao te ver ao meu lado na cama, não poder te entregar meus carinho antes de dormir acompanhado dos meus mais doces beijos, de não poder entregar o calor do meu corpo nas noites frias de inverno e de não poder escrever em meu diário a nossa história de amor juntos. Uma história real, com príncipe, mas sem aqueles felizes para sempre, porque eu não acredito em felizes para sempre. Eu acredito em momentos de alegria como é este em que te olho sorrir da janela, acredito que podemos ser felizes encaixando nossas diferenças, mas eu sei que podemos brigar até encaixar nossos defeitos. Eu te espero como nos contos de fadas assim do jeito que te vejo sorrindo na janela, mas te quero real como a vida. Quero os teus conflitos, teus problemas, quero teus desejos secretos, quero os teus medos. Eu quero o teu real não a tua realeza, mesmo te vendo tão longe daqui.

10 comentários:

  1. Estou num momento desses. Mas, infelizmente, decidi trocar o sentimento de esperança pelo meu príncipe pelo de conformidade de que seus lábios não serão meus, seu sorriso não brilhará mais e seu aceno não é, e nunca foi, para mim.
    Logo eu, que odeio me apaixonar! Me sinto tão vulnerável. Faço e penso em coisas medíocres! Mas paixão platônica é isso mesmo.
    Agora o meu coração já está sarando. Me sinto bem aqui em baixo porque posso simplesmente deixar de olhar para a janela mais alta da torre onde o príncipe que não é meu reside. Quem sabe, ao olhar para frente, eu não encontre o meu príncipe blebeu?

    ResponderExcluir
  2. "que digam que é loucura, não ligo, mas me apaixonei por um sorriso..."

    Simplesmente lindo e sincero..todo mundo se encontra em um pedaço desse conto...
    *-*

    ResponderExcluir
  3. Cara você brinca com minha mente como uma sinfonia, não há como descrever o que você faz comigo. Como um sonho virando realidade, incrível, um centro de milagres lírico. Excelente.

    #k

    ResponderExcluir
  4. Eu daria uma unha para saber quem é o anônimo K.

    ResponderExcluir
  5. "Há pessoas que criam solidão outras saudades eu crio esperanças."

    Sou teu fã;

    E eu realmente não sei o que falta pra pessoa se tocar!

    ResponderExcluir
  6. "Quero os teus conflitos, teus problemas, quero teus desejos secretos, quero os teus medos. Eu quero o teu real não a tua realeza"

    Ooooouwn *-*

    ResponderExcluir
  7. Oi querida, primeiramente queria dizer que amei teu blog, tua escrita, tua imaginação.

    Muito bom o texto, também costumo me apaixonar por sorrisos, mesmo de estranhos.

    Beijo querida, sigo-te

    ResponderExcluir
  8. Uauuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu!

    "Eu quero o teu real, não a tua realeza"

    AMEI!

    ResponderExcluir